Recolhimento do Espírito Santo da Vidigueira

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/ADBJA/RESVDG
Title type
original
Date range
1531 Date is certain to 1884 Date is certain
Dimension and support
10 mç.
Extents
10 Maços
Biography or history
Túlio Espanca no "Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Beja" descreve este recolhimento de forma sucinta: "O recolhimento, integrado na reformada ordem terceira de N.ª S.ª do Carmo, teve como fundadoras as irmãs naturais de Beja, Domingas de Jesus e Joana da Cruz, conhecidas na cidade por terceiras santas, as quais viveram os primeiros tempos na vila acomodadas em casa de outra religiosa da mesma regra, de nome Maria Esteves.

A primeira tentativa de fixação, na ermida de Santa Clara dos Olivais, malogrou-se porque o padroeiro, D. Vasco Luís da Gama, 1.º marquês de Nisa, negou-lhes o edifício, sugerindo, antes, a instalação na ermida do Espírito Santo, do património da Misericórdia, o que se consumou com autorização da Santa Casa, aliada à cedência de dependências anexas, arruinadas, e de uma pensão de 800 réis de foro, como esmola.

As licenças eclesiásticas foram publicadas por D. Fr. Luís de Sousa, governador do arcebispado de Évora, sede vacante, estando como provincial da ordem do Carmo Fr. Jorge Cardim, e as recolhidas fizeram a entrada solene no edifício reconstruído e que era situado defronte da Mesa e Despacho daquela Irmandade, a 20 de Maio de 1668, precisamente no dia do Espírito Santo, motivo porque a consagração recebeu este onomástico.

Foi sua primeira regente-fundadora Maria da Conceição, natural da Granja, termo de Mourão, que morreu no dia 20 de Maio de 1682.

A casa viveu sempre com muitas dificuldades económicas, de esmolas e em extrema pobreza, e foi sua última religiosa soror Josefa da Cruz Rosa: que entrou para a clausura em 1825, com 15 anos de idade e professou no ano seguinte.

Extinta em Janeiro de 1883, a Fazenda Nacional tomou posse do imóvel e dos escassos bens materiais, que licitou em hasta pública, e o respectivo Ministério, presidido por António Maria Fontes Pereira de Melo, autorizou a sua concessão à Misericórdia, para fins assistenciais como hospital da vila, porquanto, até então, o serviço hospitalar se fazia, desde épocas antigas, no regime transitório e flutuante, como dizem os documentos manuscritos respeitantes à comunidade. Parece, todavia, que a administração da Santa Casa levantou dificuldades - naturalmente de ordem económica -, para a vigência do instituto, pelo que a Câmara Municipal teve de tomar a seu cargo parte dos encargos materiais na sustentação, atribuindo-lhe um subsídio anual de 100.00 rs., conforme consta dos despachos oficiais de 23 de Junho de 1900 (Manuel Afonso Espregueira), e corroboração de Novembro de 1905"

Custodial history
Em 1988, a documentação, que se encontrava na Direção de Finanças, Repartição da Tesouraria do Distrito de Beja foi incorporada no Arquivo Distrital de Beja.

A documentação foi sujeita a tratamento arquivístico, no início da década de 1990. O grupo de Arquivos Eclesiásticos encontrava-se dividido por cinco Grupos de Fundos. Cada um deles é composto pelos fundos conventuais, neles se incluem toda a documentação proveniente do respectivo cartório, aquando da sua extinção em 1834. O Grupo de fundos foi organizado por Ordens Religiosas e ordenados alfabeticamente.

No ano de 2012, no âmbito do regulamento do Concurso: “Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais 2012”, promovido e patrocinado pela Fundação Calouste Gulbenkian, o Arquivo Distrital de Beja, apresentou a candidatura: “Projeto – Ordens Monástico-Conventuais no Baixo – Alentejo, 1415-1911”, processo n.º 123075, tendo a mesma sido aprovada. Esta candidatura possibilitou a mais recente intervenção arquivística possibilitando a descrição e digitalização.

Acquisition information
Incorporação proveniente da Direção de Finanças, Repartição da Tesouraria do Distrito de Beja em 1988.
Scope and content
Contém escrituras, testamento, sentenças.
Arrangement
Organização em séries documentais correspondendo à tipologia formal dos actos.
Access restrictions
Comunicável, salvo os originais em mau estado de conservação.
Conditions governing use
Reprodução sujeita a restrições atendendo ao número, tipo de documento, estado de conservação e existência de cópia em formato digital. Sujeito à tabela emolumentar em vigor.
Language of the material
por (português)
Other finding aid
ARQUIVO DISTRITAL DE BEJA - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Beja: ADBJA, 2013- . Disponível no Sítio Web e no Portal português de Arquivos. Em actualização permanente.



INSTITUTO DOS ARQUIVOS NACIONAIS/TORRE DO TOMBO - "Ordens monástico-conventuais: inventário: Ordem de São Bento, Ordem do Carmo, Ordem dos Carmelitas Descalços, Ordem dos Frades Menores, Ordem da Conceição de Maria." Coord. José Mattoso, Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha. Lisboa: IAN/TT, 2002. XIX, 438 p. ISBN 972-8107-63-3.



Inventário artístico de Portugal : Distrito de Beja. Lisboa : Academia Nacional de Belas Artes, 1992. 2 vol : il ; 30 cm



Goes, Manuel Lourenço Casteleiro de, 1945- Beja : XX séculos de história de uma cidade / Casteleiro de Goes. - Beja : Câmara Municipal de Beja, 1999. - Vol. 2

Related material
Portugal, Arquivo Nacional Torre do Tombo.



Portugal, Arquivo Distrital de Beja, Direção de Finanças, Repartição da Tesouraria do Distrito de Beja.



Portugal, Biblioteca Nacional de Lisboa.



Portugal, Biblioteca Pública de Évora.

Creation date
19/02/2009 00:00:00
Last modification
23/10/2013 12:58:09